Esta gente que por aí anda

Esta eu não resisto a partilhar.
Para quem não viu, eu fiz há uns tempos atrás um post sobre o ateísmo, a propósito de uma reportagem da Wired Magazine. Ora qual não foi a minha surpresa quando hoje descubro um comentário sobre o post, que decidi expôr aqui. Porquê dar-lhe atenção? Porque é o reflexo de uma atitude que me irrita. Serve de exemplo.
Vamos a isto:



"Sr. Contente said...
Não, não sou religioso. Nem crente sou. Sou, no máximo, agnóstico. De facto, existem muito fundamentalismos. Mas penso que culpar a religião de todos os males do Mundo é ser-se ignorante. Muito ignorante. É conversa oca e, permitam-me, pouco inteligente. Exacto, pouco inteligente, que é o que os arrogantes dos atus chamam aos crentes. Já conheci crentes modestos. Ateus? Não, são sempre autoritários, armados aos cucos. Esse Dawkins deve estar louco: eliminar a fé? Como? É como eu querer eliminar a paixão. São coisas não-materiais. Ridículo. Carlos Moura, vai ler livros, pá. Ou ver vídeos no You Tube, que é o que agora toda a gente faz. "


Ehehehehe... Permitam-me responder passo-a-passo a esta triste observação do sr. Contente. Vejamos:

"-Não, não sou religioso. Nem crente sou. Sou, no máximo, agnóstico."

A mim não me faz diferença: sê o que te apetecer. Adiante.

"-De facto, existem muito fundamentalismos."

Sem dúvida: basta ler o resto do comentário para termos mais uma prova disso.

"-Mas penso que culpar a religião de todos os males do Mundo é ser-se ignorante. Muito ignorante."
Claro que sim, se se generalizar essa expressão ao ponto de dizer "dói-me a cabeça, a culpa é da religião" ou "os preços da netcabo são ultrajantes, maldita religião". Mas se se olhar para uma questão global e para a história da humanidade, terei que gentilmente discordar. Até podia explicar, mas é por causa disso que há gente a escrever livros e a investir anos de vida.

"-É conversa oca e, permitam-me, pouco inteligente."
Bom, desde já fico feliz por saber que há alguém que também leu os trabalhos destes pensadores e que os consegue contrariar. Muito bem, sim senhor.
Não me passa pela cabeça que este sr. Contente esteja a dizer que isto é conversa oca e pouco inteligente só pelo aspecto dos senhores ou pela capa dos livros. Seria a mesma coisa que aquele padre que disse que o "Império dos Sentidos" era uma vergonha... porque lhe contaram.

"-Exacto, pouco inteligente, que é o que os arrogantes dos atus chamam aos crentes."
Agora fiquei baralhado. Estes atus que referes são os ateus? Então tens conhecido ateus muito mal-educados, deixa-me que te diga. Mas, já que generalizas, gostava que me explicasses porque é que os ateus, ou atus, ou atuns, são arrogantes. Por isso, vejamos o resto da dissertação:

"-Já conheci crentes modestos. Ateus? Não, são sempre autoritários, armados aos cucos."
Lá está, confirma-se que tens andado com más companhias, mas gosto da forma como dizes que já conheceste crentes modestos, o que dá um sentido de minoria à coisa. Mas é um pouco verdade: os ateus andam por aí um pouco armado aos cucos. E autoritários, especialmente quando dizem é nisto que eu acredito, lamento. Rais'parta o moços, que se recusam a ajoelhar perante a glória divina! Foi este mesmo autoritarismo que os levou para a fogueira da inquisição e, mesmo assim, os tipos não aprendem!

"-Esse Dawkins deve estar louco: eliminar a fé? Como? É como eu querer eliminar a paixão. São coisas não-materiais. Ridículo."
Tenho um vizinho que diz a mesma coisa. E prometeu rezar pelo Dawkins aos seus 24 deuses (ele é politeísta). Aliás, quando eu lhe disse que, se calhar, não fazia muito sentido a crença dele, de que existe um deus para o fogo, um deus para a chuva e um deus para o iogurte, ele respondeu: "E que queres tu que eu faça? Não os posso eliminar da minha fé: os meus deuses são não-materiais, por isso não os consigo eliminar. Seria como eliminar a paixão, é ridículo".
Por isso, cada vez que troveja e ele, em temor, sacrifica um cordeiro, uma galinha e um porco, eu calo-me e não digo nada.

"-Carlos Moura, vai ler livros, pá. Ou ver vídeos no You Tube, que é o que agora toda a gente faz."
Obrigadinho, pá. Vou, sim senhor. E vou satisfeito na minha vidinha, porque estou tranquilo.

Eu tenho o direito de acreditar, ou não, no que eu quiser. Como tu. Como todos. E, tendo amigos crentes, agnósticos e ateus, respeito-os. Aliás, admiro mesmo quem consegue ter fé. Só me chateia é essa atitude, que alguns insistem em ter, de, assim que ouvem a palavra ateísmo, dizer "vai mas é plantar batatas". Ou "ver vídeos do YouTube".
Eu compreendo esta alergia. Alguém que se afirma ateu ainda é visto como alguém sem moral. Uma coisa não implica a outra, como é óbvio, até porque a maioria dos tipos que eu conheço com baixos valores morais e sem a miníma consideração pelo respeito humano são altamente religiosos.
Mas cada um é cada qual.
Agora, em relação a este blog, posso dizer mais uma vez que não é um espaço democrático. Quem não gosta, pois que não leia.
E continua de portas abertas para católicos, ateus, satânicos e muçulmanos.
Só me chateiam gajos como este, os senhores contentes deste mundo, para quem a sua verdade é a que conta e as ideias dos outros, se forem diferentes, são sempre alvos a abater. Isto sim,. é fundamentalismo: "se não pensas como eu, és arrogante, autoritário e ridículo. Deixa de te armar aos cucos e vai mas é ler livros, pá. Ou ver vídeos no You Tube, que é o que agora toda a gente faz."

Obrigado, sr. Contente. Foste um bom exemplo.

8 comentários:

Eduardo Ramos disse...

Hummm!
O que é um ateu?
Um ateu é alguém que acredita que nada existe a não ser a massa e a energia.
Logo acredita porque vê a massa e a energia.
O que é um religioso?
Um religioso é alguém que acredita que algo existe além da massa e da energia. Um sentido para a vida.
Mas para a vida de quem? Da formigas? Dos mosquitos? O budismo ao menos olha para estas vidas como algo importante. Outras… nem por isso.
Aliás. Budismo não acredita em Deuses. Acredita que é possível para qualquer ser humano atingir um estado de “elevação“ acima de qualquer humano.
Atrevo-me “quase” a dizer que é cúmulo do ateísmo se não fosse eles acreditarem na reencarnação.

Acabando de vez.
De uma maneira ou de outra, da pior maneira (quase sempre) ou da melhor maneira (Madre Teresa, Mohandas Gandhi) a religião é que foi dando algum rumo e ordem à sociedade.
Ou por outra, o medo, manteve alguma ordem.
Pode ter gerado muitas guerras, mas nem imagino em que ponto estaríamos que não fosse esse medo.

Mas isto é a minha opinião...

Tó do Samouco disse...

Eu sou Testemunha de Jeová, posso entrar aqui? Se sim... já agora posso falar-lhe um pouco de Jesus e aceita este livrinho?

aifos disse...

É por estas e por outras que um dia o Todo o Poderoso vai castigar toda a gente...lol

Realmente tenho que concordar contigo Carlos... Não percebo o que custa respeitar a opinião do próximo

...opinar...na boa...faltar ao respeito...jamais!...

Chego a ter vergonha de fazer parte da raça humana...

Resta-me a personalidade diferente que faz de nós seres humanos únicos e incomparáveis.... para alguns, pelos vistos...

Há quem goste de generalizar...

Joana (Dra-D) disse...

"continua de portas abertas para católicos, ateus, satânicos e muçulmanos"

Entao e aos Hindus, Xintoistas, Judeus, Wiccas, Budistas, Adventistas, Manas, Shiitas, Siks, KKK, e outras religioes mais, também está aberto??? ;)

BEIJOCAS

Sr. Contente disse...

Concordo, o texto está arrogante. Tens toda a razão, eu não devia ter dito certas coisas. Mas, e vais concordar comigo, existe hoje, também, um fundamentalismo galopante por parte dos ateus.
Não percebi qual o mal de se ser agnóstico. Não defendo a Igreja, pelo contrário, acho que, ainda hoje, existe uma relação, claro que abafada, entre o Estado Português e o Vaticano. A Concordata de 2004 bem o demonstra.
Não queria ter sido tão mal interpretado. Não percebi qual o mal de se criticar a "eliminação da Fé". Achas que é possível?´
Admito que me contrariei. Critiquei fundamntalistas, mas fui fundamentalista ao escrevê-lo. Reconheço isso.

Sr. Contente disse...

Só mais uma coisa: tinha-te mais em consideração. O facto de teres pegado na má escrita de ateus, os "atus", e teres feito disso uma grande coisa, de forma a pôr em causa a minha competência para discutir este assunto, foi de alguém sem muitos argumentos- ou, pelo menos, assim costuma ser, neste mundo tão giro da Internet.

Carlos disse...

Sr. Contente

Aqui fica um grande abraço por, depois de todo este tempo e deste post de resposta, teres vindo aqui escrever isso.
Mereces escrever o teu nome com maiúscula, sim senhor.
Eu também não gosto de fundamentalistas, e percebo bem o que dizes.
Provavelmente, eu também me expressei mal e, se calhar, estamos os dois mais de acordo um com o outro do que poderá parecer.
Abraço.

Carlos disse...

E tens razão, foi um golpe baixo.
:D