SIC Comédia


Reflexos de uma política e uma política de reflexos.
Em Dezembro, acaba.

5 comentários:

Eduardo Ramos disse...

E chamar de palhaço a quem tomou essa política, seria uma heresia.

aifos disse...

Lá diz o ditado...o que é bom acaba depressa...

Diogo disse...

Já não era sem tempo! Agora felizmente, com a chegada do novo ano, teremos mais tempo para ver outros canais de qualidade, como o Canal Record ou o Zee TV...

Diogo disse...

Agora a sério, fiquei extremamente desiludido quando soube da notícia. A SIC Comédia era um excelente canal, com um exímio leque de séries anglo-saxónicas importadas de alto gabarito (Seinfeld, Comedy Inc, Mad TV, SNL, Smith And Jones), bem como excelsos talk-shows norte-americanos (adorava ficar acordado durante a noite a ver os compactos do Jay e do Conan). Tinha um grande potencial e lamento que não se tenha investido seriamente nele, com projectos ambiciosos como um programa semanal de stand-up comedy (estilo "Comedy Central Presents", com uma hora de material de comediantes novos do underground português) ou, como o Marco Horácio sugeriu na entrevista "ribeirinha" que deu, um programa de sketches gravado ao vivo como o SNL (felizmente os sublimes gatos fedorentos vieram suprir essa lacuna da televisão portuguesa). Em vez disso, ficámo-nos pelos programas rascas de baixo-orçamento da conversa de café, como o Biqueirada (que apesar de tudo, teve os seus bons momentos, uma vez que tinha como membros residentes do elenco de comentadores argumentistas experientes das Produções Fictícias) e o Prazer Dos Diabos (medíocre, e péssimo se não fosse o José de Pina). Por outro lado, não compreendo a decisão da SIC. Porque não acabar com a SIC Mulher? Estou um bocado farto de ver as 423 repetições do programa da Oprah e de ver a Ana Marques a falar sobre as novas tendências da bijuteria estival. E a AXN, mais os seus filmes de acção mainstream de pastilha elástica, com o Van Damme e o Arnold Schwarzenegger? Julgo que se está a abortar demasiado cedo um feto que ainda precisava de ser bem alimentado e de crescer e ser adorado pelo público português. É com muita pena que vejo o término de um canal que podia e devia assumir um papel determinante no incremento da nova comédia portuguesa, nomeadamente no campo da stand-up comedy. Já agora, gostaria que te pronunciasses: a filosofia indolente do "paciência, são as leis do mercado" já chateia...

Kane disse...

Pois é... tudo em televisão é uma "crónica de um fim anunciado". Pena é que esse livro já foi escrito...senão era a história da TV.

Um abraço,

Kane