A Força ainda está connosco

AVISO: ANTES DE LEREM ESTE POST, CLIQUEM EM PLAY:
25 de Maio. Há precisamente 30 anos, em 1977, um jovem e falido realizador chamado George Lucas dava início ao que viria a ser uma revolução no cinema.
Foi realmente "A long, long time ago" no que agora parece uma "galaxy far, far away". como já devem ter percebido, também eu sou um devoto de Star Wars. E não podia deixar passar esta data sem a devida vénia.
Porque é que um filme é tão importante? Bom, por vários motivos. Pelo que representa, pelas transformações que provocou, pelo imaginário a que deu origem e por ser a faísca que deu o arranque ao novo cinema do século XX.

É mais do que um filme de ficção científica. É um marco na cultura humana.
Exagero? Não. Vamos por partes, e comecemos pelo filme em si.
Começou por ser um projecto de um puto rebelde, em que ninguém acreditou. Aliás, estavam todos tão convencidos do insucesso d'A Guerra das Estrelas, que a Fox deu de bandeja todos os direitos do filme a George Lucas. E ainda bem: o filme foi um sucesso tão estrondoso que, graças às receitas e ao merchandising, Lucas conseguiu fundar o seu império cinematográfico.

Porque é que o filme é tão bom? Porque conjuga várias referências universais e eternas. Começa como um conto de fadas, um "Era uma vez" numa galáxia muito, muito distante. E arrisca-se a juntar a naves espaciais toda essa mitologia dos contos de fadas: está lá a princesa, o cavaleiro herói, o império, os bruxos, a magia... Como se não bastasse, Lucas ainda lhe acrescenta referências várias, dos filmes de guerra a "Casablanca", dos samurais aos westerns, dos piratas aos espiões. Está lá tudo. Os maus são mesmo maus (e vestem-se de preto), os bons são mesmo bons (vestem-se de branco), e por aí fora.
É delicioso. Esqueçam os sintetizadores e a música futurista - o universo de Star Wars faz-se com a melhor orquestra clássica, e o universo é salvo ao som de violinos. Perfeito.
Junte-se a toda esta receita toques de classicismo - o filho que nega o pai, os irmãos que se apaixonam, a tentação do mal, a subjugação ao poder, o misticismo... e monstros e seres tão pérfidos como um minotauro ou semelhante. Ah, e é claro: grandes batalhas espaciais:


Estava lançada a pedra no charco. Os fãs de cinema abraçaram Star Wars como algo que nunca tinham visto, uma gigantesca história de aventura e fantasia, com todos os ingredientes certos.
Dos bonequinhos em caixas de cereais aos grupos de fãs (existem vários conselhos Jedi, inclusive existem batalhões de tropas "Star Wars" devidamente organizadas por todo o planeta), George Lucas seguiu para os outros episódios da saga e para a construção do seu império pessoal.
Hoje, é um dos maiores nomes de Hollywood. Vejam só algumas das ramificações que surgiram de Star Wars:
Skywalker Studio - empresa de som criada no próprio ano de 1977, graças às necessidades específicas do filme. Foi esta empresa que depois criou o sistema de som THX, grande concorrente do Dolby Surround.
LucasFilm - a produtora criada para o filme, que produziu toda a saga e que esteve na origem de várias outras grandes produções, como Indiana Jones.
Industrial Light & Magic - a maior empresa de efeitos visuais do mundo, que posteriormente idealizou, construiu e desenvolveu novas técnicas de animação computadorizada (e não só) e que deu origem a coisas como os estúdios da Pixar, o sistema AVID, etc, etc, etc... Aqui fica um vídeo com um brilhante exemplo de tecnologia 3D desenvolvida por eles:

Graças a Lucas e a Star Wars, surgiram também nomes como David Fincher (começou lá como cameramen), Steve Jobs, John Lasseter, Barry Levinson, Philip Kaufman e muitos outros, além da colaboração mútua e do devido empurrão a Steven Spielberg.

De génios do cinema a técnicas e tecnologias inovadoras, de software revolucionário (até o Photoshop fica a dever a este filme), Star Wars marca o cinema e a história cultural do século XX como poucas outras coisas o fizeram.
Parabéns, e may the force be with you...

Observação Final: haverá música que melhor simbolize o Mal... do que esta?

5 comentários:

karmatoon disse...

Não tenho a certeza em que ano estreou por cá, mas graças à loucura do meu pai, foi o primeiro filme que vi na minha vida. Só depois viria Bambi.

Lembras-te quando estavamos na FNAC do Rossio e nos virámos ao mesmo tempo para o lado de onde vinha o som dos sabres de luz?
Somos orgulhosamente «nerds» do Star Wars!!!

Parabéns a nós

Carlos disse...

Camarada Nuno,
é só por saber isso que perdoo os restantes fãs das restantes coisas. É realmente uma doença sã.


Sabes que vem aí uma série de tv sobre Jedis? Ah pois é!

A mão que escreve disse...

por acaso nunca percebi o que é que os filmes da saga Star wars têm de especial... é que nunca percebi mesmo!!!!
e ainda percebo menos a razão da existência de tantos fãs!!!

Eu cá prefiro o Dragon Ball!!!
lool

Pratas disse...

Humm uma série? Acho que essa não vou perder..

Grandioso post Carlos. Não me recordo quantas vezes vi o primeiro Star Wars, sei apenas que mais de 20 vezes..

Popy disse...

O sistema THX nao é um sistema concorrente do Dolby Surround.. pelo menos actualmente.

o THX é um certificado de qualidade, qualquer producto com certificado THX (seja por exemplo os DVD's Star Wars, colunas ou amplificadores) obedecem a um padrao de qualidade tanto em termos de audio como video.

muita gente cai no erro de pensar que o sistema THX é um sistema de som tal como o Dolby Digital ou o DTS, mas não é