Mais um para as trincheiras

Depois do lançamento em português de "The End Of Faith", de Sam Harris, eis que chega finalmente a tradução de "The God Dellusion", de Richard Dawkins.
E, meus amigos, é um livro obrigatório do pensamento universal, quer para crentes, quer para ateus hereges como eu.
Até que enfim que começam a chegar às prateleiras das nossas livrarias publicações que fogem à regra do país católico apostólico romano e que colocam novos alicerces na discussão moderna. Já começava a pensar que o lápis azul das editoras ainda continuava activo.
Mas nem tudo são rosas. Além da capa claramente sensacionalista, com a desnecessária observação "O livro que está a abalar o mundo", acho que o título foi mal traduzido. Apesar de soar bem a uma primeira vista (dellusion, desilusão), a palavra certa seria a pouco usada mas portuguesíssima delusão. É que, em português, desilusão é um termo mais associado a encarar algo que não corresponde às nossas expectativas, o que assume a existência de algo, enquanto que delusão, do Latim delusione, quer mesmo dizer engano, logro, burla, o que está mais de acordo com a intenção do autor. O título ideal, para evitar estranhezas do público, seria mesmo "O Logro de Deus". Mas o que está feito, está feito.

Porquê a necessidade de ler este livro? Porque é uma obra séria, fundamentada, construída numa linguagem simples e que explica claramente as bases do pensamento ateísta. E antes de ter crentes a dispararem contra-argumentos, deixem-me dizer-lhes que, como em qualquer discussão, convém saber ouvir - é o princípio do diálogo. E nós, os descrentes, andamos a ouvir-vos desde que o mundo é mundo.
O autor é este cavalheiro aqui ao lado, que dá pelo nome de Richard Dawkins. Biólogo com cadeira reservada na Universidade de Oxford, este britânico nascido no Quénia é uma das maiores referência do pensamento ateu, social e anti-religião da actualidade. Se quiserem saber mais sobre o assunto, além de lerem o livro podem fazer uma visita ao seu site oficial, em richarddawkins.net. Vale a pena - espreitem os vídeos.
Não vou falar mais sobre o livro, porque seria reduzi-lo a alguma insignificância. Mas deixo-vos algumas frases de Dawkins:

"...quando dois pontos de vista opostos são expressados com igual intensidade, a verdade não tem que estar necessariamente no meio caminho entre ambos. É possível que um dos lados esteja pura e simplesmente errado."

"Nós admitimos que somos uma espécie de primatas, mas raramente nos apercebemos que somos primatas."

E uma das minhas favoritas:

"Todos nós somos ateus no que toca a muitos dos deuses em que a humanidade já acreditou. Acontece é que alguns de nós já avançaram mais um deus."

5 comentários:

Anónimo disse...

Sem dúvida muito bem observado.

S. disse...

A avaliar pela tradução do título, o melhor seria ler no original.

m|a disse...

Meu querido, pá, caramba, homem! Escusavas era o pleonasmo do ateu herege. Mesmo com o acto de contrição -- Eh, eh! As piadas tão giras que faço -- do delusão mais abaixo, que te ficou tão bem. Tu vê lá as veras heresias que cometes!

Sofia disse...

Parece que já elegi um dos meus presentes natalícios consumistas...

Ana Cristina disse...

descobri hoje este blog,atravez do amigo helder sanches :) mas o mais incrivel é que hoje também comecei a ler o livro d Richard Dawkins...o meu pai leu e adorou :)
gostei do que vi por aqui!!