Tocar o som

Apresento-vos Evelyn Glennie, escocesa, 41 anos.
Evelyn é percursionista. De facto, ela foi a primeira pessoa a criar carreira como percursionista a solo, e é considerada uma das melhores do mundo.

Além disso, Evelyn é surda.



Nascida practicamente sem audição (consegue ouvir baixas frequências - sons graves - embora com distorção), Evelyn é um caso de excepcionalidade. Ela não ouve a música; sente-a. Uma boa explicação, dentro do possível, é dada por ela própria, no seu site www.evelyn.co.uk, onde, entre outras coisas, ela explica que a audição é, no fundo, uma outra forma do tacto. Vale a pena ler.
Além dos vários espectáculos que dá por todo o mundo, ela foi recentemente alvo de um documentário, chamado "Touch the Sound".
Ainda não sei se chegará a Portugal (isto dos documentários é sempre uma incógnita), mas de qualquer forma aqui fica o trailer respectivo:

Artista de múltiplos talentos (colaborou com Björk, entre outros), Evelyn também se dedica a outras artes, como o design de jóias.
Não há limites, pois não?
Ouçam mais um pouco desta fabulosa mulher, neste excerto do documentário:

3 comentários:

filipe disse...

Bom este post toca-me profundamente...além de eu ter características especiais, conforme sabes, estou a tirar o curso de tradução e interpretação em língua gestual portuguesa. Obrigado pelo serviço público, esse maldito que reservamos sempre ao estado e que nos esquecêmos de que o estado somos todos nós. Basta nestes casos existirem oportunidades de igualdade (que tu acabas de dar ao divulgares), em vez da tão badalada igualdade de oportunidades...muda-se a ordem, muda o conceito. E esta hein?!

Aquele abraço

Eduardo Ramos disse...

Christopher Reeve “sende” a vida pela sua determinação.
Aqui à tempos, vi um post de um cego que “via” com a audição.
Agora temos uma surda que “ouve” com o tacto.
Não estou confuso. Estou cada vez mais elucidado.

E queixamo-nos nós e ficamos deprimidos, porque a comida não nos sabe a nada quando estamos constipados.
Definitivamente as dificuldades existem não para nos atrapalhar, mas para nos levar ainda mais acima.

Eduardo Ramos disse...

Se alguém me arranjar um teclado com teclas para dedos de homens agradeço!
Xiça! Rais'parta à miniaturização.