The Bourne Enjoatum

Fui ver o último capítulo da saga Jason Bourne, o "Ultimatum", filme onde o Matt Damon basicamente esfrangalha James Bond e dá mostras de como deveria ser um agente secreto no século XXI.
O filme é bom e segue na qualidade dos anteriores mas (há sempre um "mas") a realização merece um puxão de orelhas. Desta vez abusaram: não há paciência para duas horas de câmara ao ombro, imagem tremida e trepidante, solavancos constantes. A ideia pode ser colocar o espectador no meio da acção, mas acaba por o colocar no meio do enjôo. Se há alturas em que isso funciona, há outras em que só serve para baralhar (quem é que está a bater em quem, o que é que aconteceu?), correndo-se o risco de perder muitas vezes alguns pormenores fantásticos da coreografia de luta ou das fantásticas perseguições.
Mas, mesmo assim, vale a pena ser visto - é um filme de acção crescido, para adultos, e as poucas incoerências são facilmente desculpáveis (há coisas que acontecem com um timing fora da realidade, como a polícia chegar a um local 3 minutos depois da chamada). Jason Bourne é um agente secreto à séria, que dá porrada como um mestre e esquiva-se como uma raposa. Se forem ver o filme, já sabem: nunca nas filas da frente.

1 comentário:

Eileen disse...

Nem mais, aquilo ca câmara a mexer o tempo todo. Para quem tem a finissima doençacinha "motionsickness", é um horror. Mas o filme está muito bem, sim. E deixa ainda aberto: e o romance entre ele e a Julia Stiles?