Sentença(s) de vida

A SIC foi ontem responsável por uma das horas de emissão de televisão mais importantes dos últimos tempos, ao emitir a reportagem "Sentença de Vida" e respectivo debate, a seguir ao Jornal da Noite.
A reportagem, com a assinatura daquela que é provavelmente a melhor jornalista daquela casa, Amélia Moura Ramos, é o retrato de um dos casos neste país que colocam em questão várias decisões sobre a vida e sobre a morte, (como a reanimação insistida e a eutanásia).
Mas, neste caso, a história tem contornos ainda mais marcantes do que a habitual discussão ética destes tema.

Alexandra Crespo é mãe.
Durante vários anos, trabalhou com crianças com deficiência.
Há dois anos, a sua filha Matilde , então com 9 anos, sofreu um AVC que a lançou para a obscuridade de um estado vegetativo persistente.
A mãe de Matilde defende que há limites a que a medicina não obedece, questiona a utilidade da sobrevivência a todo o custo e diz que desejou que a sua filha não tivesse sido reanimada para uma vida sem sentido. "O que eu esperava é que a minha filha morresse, que não ficasse neste estado porque eu não quereria isso para mim. Não posso querer isso para uma pessoa que eu amo tanto como a minha filha", diz.
Esta mulher fala com a razão no coração e com o coração nas mãos, sem perder uma lucidez que por vezes, de tão nítida, magoa.

Com uma filha nos braços que já não passa de um vegetal, "o corpo da minha filha", como ela refere. Um corpo vivo de uma filha que já morreu.
E agora? Suporta-se a segunda morte de um mesmo filho? Deseja-se a perda de uma criança que, no fundo, já se perdeu?

A SIC portou-se com toda a dignidade perante o caso.
A reportagem foi bem estruturada e com a decência a que a jornalista já nos habituou. Em estúdio evitou-se o fácil convite de alguém "de fé" e manteve-se uma conversa com responsáveis claramente elucidados sobre a questão, guiados por uma Clara de Sousa também ela mãe, contida, visivelmente tocada, e por um Rodrigo Guedes de Carvalho sóbrio como sempre, que em cada pergunta mostrou porque é o melhor pivot deste país.

Precisamos de falar mais sobre estes casos.
Para lá das banalidades e misticismos "do que deus quer", já era hora de começarmos a discutir o que fazemos nós com as pessoas que nos rodeiam.

O que lhes fazemos, o que lhes destruimos e o que as impedimos de reconstruir.
É mais do que hora de falarmos de dignidade, de eutanásia e dos limites da medicina.
Porque a qualidade de vida passa também pelas questões da morte.

...


Em jeito de remate à história anterior, deixem que vos conte outra.

Quero contar-vos a história de Fred Knittle.

O Fred tem um problema cardíaco sério, mas gosta de cantar.
Esta música, que vão ouvir a seguir, era suposto ser cantada em dueto com um amigo seu, Bob Salvini.

Mas infelizmente, Bob morreu, e Fred acabou por a ter que cantar sozinho.
No público, estiveram presentes alguns familiares de Bob.

E Fred cantou:



When you try your best, but you don't succeed
When you get what you want but not what you need
When you feel so tired but you can't sleep
Stuck in reverse

And the tears come streaming down your face
When you lose something you can't replace
When you love someone but it goes to waste
Could it be worst?

Lights will guide you home,
And ignite your bones,
And I will try to fix you,

High up above or down below
When you're too in love to let it go
But if you never try you'll never know
Just what you're worth

Lights will guide you home
And ignite your bones
And I will try to fix you

Tears stream down your face
When you lose something you cannot replace
Tears stream down on your face
And I will try to fix you

3 comentários:

ni disse...

Profundo...
São sempre temas que muitas vezes ainda são olhados como tabus e por esta razão são evitados a todo o custo.
Mas informação por informção que se dê mais tempo ao que se passa por cá...

Eduardo Ramos disse...

Ainda falam que o aborto é controverso.

Este deve ser dos temas que mais me calo, tendo eu consciência que falo demais acerca de tudo.
Não sei! Eu não gostaria que me corpo se mantivesse vivo quando eu já estaria morto.
Seria um peso e um transtorno para todos... ( este momento não é o melhor para darem a piadinha do "já és!").

Mas... há sempre duas palavras que me fazem pensar não duas vezes, nem três...
... Stephen Hawking.

Arranja-se GPS para este tipo de sentimentos?

Fico lixado quando alguns aceleras que conheço dizem:
- Se bater morro, mas vou feliz.
Já respondi:
- É o pior é se a única corrida que consegues apostar depois, é na de por qual das pernas a merda chega primeiro ao estribo da cadeira de rodas.

Psantos disse...

Numa peça onde não ha uma unica referência ao pai da criança, parece-me demasiadoi flagrante a Clara Sousa fazer uma pergunta direccionada para o pai da criança, antes mesmo de tentar saber junto da autora da peça o porquê.
O único senão.